segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CUBA!





No dia 26 de novembro de 1956, o iate Granma, com capacidade para 25 pessoas, partiu do México e efetuou uma travessia de dois mil quilômetros até Cuba, transportando 82 homens, além de 2 canhões, 35 fuzis com mira telescópica, 55 fuzis de assalto, 3 metralhadoras, 50 pistolas, munições e mantimentos. 

   Tudo se perdeu na chegada à ilha. Enfrentando tempestades e sendo atacados pelas tropas de Fulgêncio Batista, escaparam somente 16 guerrilheiros, entre eles, Fidel Castro, Che Guevara, Camilo Cienfuegos e Raúl Castro. Iniciava-se a revolução cubana com um punhado de homens quase desarmados e sem mantimentos. Refugiaram-se na Sierra Maestra e ali começou a luta com o apoio do Movimento 26 de Julho (mais tarde Partido Comunista Cubano) e, principalmente, do povo cubano. Em 1959 a revolução cubana foi vitoriosa. 

    60 anos depois, Fidel Castro inicia uma jornada para a revolução da eternidade. Cuba fica órfã daquele que conseguiu restituir-lhe a dignidade. A partir de 1959, Cuba teve quatro presidentes da República: Manuel Urrutia, de janeiro de 1959 a julho de 1959; Osvaldo Dorticós, de julho de 1959 a 1975; Fidel Castro, de 1976 a 2006 e Raúl Castro, desde 2006. 

   Antes da revolução, Cuba era o paraíso das multinacionais, dos empresários e banqueiros. Lembrava o Brasil de hoje: o quintal favorito dos Estados Unidos. Após a revolução, paulatinamente o povo foi readquirindo os seus direitos. Fez-se a reforma agrária e a reforma urbana, o sistema de ensino é gratuito desde o primeiro ano e até a formação universitária; a saúde é gratuita em todos os postos e hospitais; todos têm emprego e moradia, o nível de alfabetização é o maior das Américas, restando somente 4% de analfabetos. 

  A Cuba de Fidel ajudou os movimentos independentistas não só na América Latina, como na África, notadamente Angola e Moçambique. Certa vez, perguntado por um jornalista estrangeiro sobre quais eram as riquezas de Cuba, Fidel respondeu que a principal riqueza cubana é o seu povo. 

   Médicos cubanos estão em todos os lugares do mundo, a medicina de Cuba provavelmente seja a mais respeitada do mundo. Foi o primeiro país a descobrir a vacina contra a hepatite C e contra o câncer de pulmão; o primeiro país a bloquear o HIV, através de vacinas que imunizam filhos de portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.  

    Cuba é uma potência em todos os esportes, com a exceção, talvez do futebol: os cubanos preferem jogar xadrez. Cuba desenvolveu-se em todos os setores, não somente na ciência, na educação e nos esportes. As artes, em Cuba, são uma referência para aqueles que desejam luz, mais luz. Apesar do bloqueio econômico promovido pelos invejosos países capitalistas, Cuba é livre. Morreu Fidel, viva Cuba!

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

FIDEL!




A guerrilha cubana dividia-se em três colunas: uma liderada por Fidel, outra tendo à frente Camilo Cienfuegos e a terceira comandada por Che Guevara; cada uma delas com cerca de 50 combatentes. Em meio ao fogo do exército dos bolsonaros cubanos, um militante chegou para Fidel e disse: “Comandante, estamos cercados! O inimigo tem 1500 soldados, mais tanques e apoio da aviação, e nós somos somente 150”. Fidel respondeu: “Traga todos para cá”. Reunidos os guerrilheiros, Fidel falou: “Companheiros, o inimigo nos cercou com 1500 soldados, mais aviação e blindados, e nós somos 150 guerreiros. Não os deixem escapar!”


   Não os deixem escapar.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

TRUMPT-DUMPT




Desde que a Globo, a Reuters, a CNN e o New York Times disseram que Trump é mau, muito mau, todos passaram a criticar o coitado do bilionário. Fala-se em impeachment antecipado, advogam-se golpes de Estado e há quem proponha a solução mais simples e muito comum naquele país do norte das Américas: o assassinato. Afinal, se mataram outros presidentes, por que não o Trump? 

   Acusam-no de querer construir um muro separando o México dos Estados Unidos. No entanto o muro já existe, e desde 1994. A desculpa é evitar a imigração ilegal daqueles mexicanos que desejam lavar pratos para os seus patrões e ganhar em dólares. Nenhum deles pensa em se revoltar contra o entreguista governo mexicano; nenhum deles quer participar das guerrilhas, nem mesmo da sub-guerrilha quase zapatista do subcomandante Marcos; nenhum deles pretende lutar pela libertação do seu país. Não. Querem fazer faxina nos Estados Unidos. E o muro foi erguido ainda na administração Bush justamente para evitar essa faxina. Tem mais de um quilômetro de extensão. O que o Trump deseja fazer? Colocar novos tijolos? Cortem-lhe a cabeça! 

   Dizem que o Trump é mau, muito mau, porque pretende deportar o que chama de “imigrantes criminosos”. Mas os imigrantes já estão sendo expulsos dos Estados Unidos há séculos, sejam ou não criminosos. E agora, com as guerras na Síria e no Iraque – guerras provocadas pelos próprios Estados Unidos e seus comparsas – milhões de árabes que fogem da desolação estão sendo encarcerados em verdadeiros campos de concentração, em diversos lugares da Europa. 

   Afirmam que o Trump, além de mau, muito mau, é estúpido, muito estúpido. É claro que sim. Trump é o mais legítimo representante dos estadunidenses, em décadas, talvez em séculos. Exala estupidez por todos os poros, assim como todos, ou quase todos os norte-americanos. É declaradamente misógino, racista, homofóbico, e tem ainda outras fobias não declaradas. Como todos, ou quase todos, os norte-americanos.  

   Mas tem uma vantagem sobre o Obama: não é hipócrita. Obama, depois de eleito, ganhou o Prêmio Nobel da Paz e foi destruir a Líbia, de Kadafi. Em seguida, e com o apoio da mídia, foi derrubando governo por governo do norte da África e do Oriente Médio. Parou na Síria. Ou foi parado pela Rússia. Então, resolveu declarar guerra à Rússia, contando com o apoio da OTAN - o seu exército particular. Cercou a Rússia com 19 bases militares nos países fronteiriços e pensou que venceria facilmente por estrangulamento. A Rússia contra-atacou na Síria e está ajudando o exército sírio a dizimar os mercenários dos Estados Unidos. 

   Falava-se até em III Guerra Mundial, com direito a lançamento de ogivas nucleares, quando houve as eleições presidenciais nos Estados Unidos. De um lado, Hillary Clinton, a secretária de Estado do governo Obama, prometendo uma linda guerra no caso de ser eleita; de outro, o estúpido e mau Trump a dizer que a guerra não lhe interessa; que os Estados Unidos devem livrar-se dos terroristas, no Oriente Médio e em todos os lugares, parar de brigar com a Rússia e com outros países, como a Coréia do Norte e a China, e tentar reerguer o seu país, quase falido com tantas guerras. 

   Trump chegou ao máximo descalabro de ameaçar retirar os Estados Unidos da OTAN. Afinal, a OTAN, segundo ele, depende quase exclusivamente dos Estados Unidos, os países que a compõem contribuem com percentagens mínimas para a obsoleta máquina de guerra. Ainda mais: Trump disse que al-Assad, o presidente da Síria, é uma pessoa séria com quem se pode conversar, enquanto os terroristas e mercenários contratados e enviados para aquele país, na tentativa de derrubar o governo, são desconhecidos. 

   Trump é um negociante, e sabe que as guerras são péssimas para os negócios. O mais das vezes, guerras são investimentos a fundo perdido e sem prazo de validade, e com adversários tão fortes como Rússia e China a possibilidade de retorno ou de algum lucro é quase nula. Trump sabe que se houver nova guerra mundial os papéis em todas as bolsas perdem o seu valor da noite para o dia, e a sua riqueza afunda. Então, a paz. Uma paz fingida, mas paz. Se não é possível conquistar o mundo inteiro, como desejava Obama e seus antecessores, divide-se o mundo em zonas de influência - e vamos aos negócios! 

   Estas, resumidamente, são algumas das idéias de Trump, que estão apavorando o establishment mundial e que representam uma guinada de 180 graus na política externa dos Estados Unidos. E essas idéias são a razão principal da campanha contra Trump, mesmo depois de eleito. Dificilmente conseguirá colocá-las em prática, pois terá contra si o peso de um sistema que prometeu a si mesmo o domínio global e que agora se vê sustado em suas intenções monopolistas. Mas, pelo menos de momento, a guerra foi postergada. A não ser que Obama prefira provocar a guerra, evitando indefinidamente a posse de Trump. 

   O que não é impossível nem improvável. O sistema capitalista tem sobrevivido graças às contínuas guerras. Guerras coloniais, guerras para redesenhar o mundo, guerras para invadir países insubordinados, guerras para roubar as riquezas de todos os países. Guerras. Sem elas o capitalismo desmorona. Dar uma chance à paz é dar uma chance ao socialismo.  

   Obama é um genocida. Seu governo caracteriza-se por guerras e invasões que provocaram milhares de mortos, mas é considerado muito bonzinho pela mídia vendida. A secretária de Estado Hillary Clinton é uma louca desvairada e principal candidata ao prêmio de Besta do Apocalipse. Em duas cartas vazadas pelo Wikileaks, entre tantas outras, ela se compromete a ajudar Israel em suas atrocidades contra o povo palestino, dizendo que “se for necessário matar 200 mil em Gaza, que assim seja”. 

   Dizem que Trump acabará se curvando aos interesses do capital financeiro internacional, à indústria bélica, ao FBI, à CIA, à Maçonaria, ao Clube Bilderberg, à toda a máfia capitalista, e promoverá novas guerras ou será morto. É mais do que provável, quase certo. Mas, por enquanto, ainda respiramos.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

SEU CHICO E O GOLPE




- É um golpe – disse o seu Chico, quando perguntei o que ele estava achando da situação política. 

- Desculpe, seu Chico, mas todo mundo sabe que é um golpe. Há aqueles que colocam o golpe no passado, lamentando somente a destituição da Dilma, mas o golpe começou com a própria Dilma, que foi removida do governo porque deve ter desconfiado que estivesse sendo usada e se negou a dar continuidade ao golpe, e o golpe prossegue com a retirada dos direitos civis. Na verdade é um golpe que institui uma gradativa ditadura, com o apoio do Judiciário, do Congresso e de sua polícia amestrada. E não se pode deixar de lado as Forças Armadas que fingem que não participam, mas devem estar por trás de tudo. 

- Mas tu nem me deixaste terminar a frase, vivente! É um golpe, e o golpe foi armado pelo PT. 

- Não pode ser, seu Chico. Como é que o PT iria dar um golpe contra si mesmo? 

- Pois lhe digo e reafirmo que o golpe tem o dedo do PT. Não o PT que a gente vê, mas o PT oculto, aquele que age na surdina e manipula Presidente, Presidenta e diabo a quatro. 

- Então me explique esse golpe do PT oculto. 

- Explicar tudo, tudinho, não dá. Mas olhe e veja: o PT não tava meio que desmoralizado com esse monte de alianças e coisa e tal? 

- Tava, mas daí pra dar um golpe... 

- Daí que a direita pegou a dona Dilma, botou contra a parede e disse: olha, faz isso e faz aquilo, senão a gente te tira do governo. Ela fez isso, mas não fez aquilo e eles degolaram ela. Eles têm a maioria no Congresso, o STF meio que comprado, pelo que me parece, a tal de Lava Jato que só existe para maquiar a corrupção do pessoal da direita, uma polícia fascista - e pronto! Voltamos pra época do Mussolini, só que agora é no Brasil. 

- O senhor ainda não me explicou sobre o golpe do PT oculto. 

- Comecei a explicar, e aí vai o resto. Pois o PT oculto é aquele grupo que transformou o PT nessa coisa que hoje vemos: nem cá, nem lá, muito antes pelo contrário; de preferência lá onde estão os grupos que controlam o poder, onde rola o dinheiro grosso. É aquele PT que nas convenções do partido, entre a reforma e a revolução prefere a reforma; entre a reforma e o conservadorismo, prefere conservar a dor, porque quem conserva tem - como diria o Tio Patinhas tomando um banho de dinheiro na sua caixa forte. É um grupo que quer transformar o PT numa cópia do Partido Democrata, dos Estados Unidos. E o que eles fizeram? Me diga o que eles fizeram? 

- Não sei, seu Chico, e estou esperando que o senhor me elucide esse ponto. 

- Nadica de nadica! Quando viram que a Lava Jato servia para limpar a esquerda do PT, deixaram acontecer, faceritos da vida! “Pois não, entre, faça o favor. Pode ir levando o José Dirceu, o Genoíno e quem mais desejar. Quanto ao Lula, vamos negociar, mas deixem ele de orelha em pé, meio que assustado, precisamos mesmo fazer uma depuração no partido; inchou, tem gente demais, cada um querendo comer pelo seu lado e a comida não dá pra todos. Quando terminarem, deixem que a gente faz o resto da faxina.” E aí não vai sobrar nem esquerda nem pseudo-esquerda no PT. No máximo, gemidos do Olívio Dutra e, vez que outra, uma palestra sobre Gramsci da Marilena Chauí, para lembrar o passado. 

- O senhor está querendo me dizer que o PT... 

- Estou querendo dizer e estou dizendo. Não todo o PT, a grande maioria não sabe de nada, mas o grupo que está por trás da grande maioria, o grupo que está por trás até da direção do partido, favoreceu o golpe. Ninguém me tira isso da cabeça – nem que a vaca tussa! Por falar em Dilma, não foi ela que disse que podiam fazer e acontecer, podiam prender quem quisessem, que ela não ia fazer nada – nem que a vaca tussa? E não fez. Achava que com isso ia se salvar. Só que quando apresentaram o script completo, ela se assustou. Parece que eu tô vendo o que ela disse: “Mas o que é isto? Tirar os direitos do povo? Uns que outros eu até tiro, mas todos? Acabar com o Bolsa Família, com o bolsa isso, com o bolsa aquilo? Romper com a Venezuela? Apoiar os Estados Unidos contra a Rússia? Criminalizar os menores, acabar com as festas dos gueis? Desamparar o povo totalmente?”. Então tiraram ela pra poderem continuar com o golpe. Com o apoio daquele grupo que é a favor de tudo isso e de muito mais. 

- Parece até Teoria da Conspiração, seu Chico. 

- Não é teoria, é prática, esse menino. E uma prática muito perversa. O supra-sumo da maldade, pois vá lá que eles queiram fazer seus conchavos, mas a ponto de judiar assim do povo é maldade pura. Ainda bem que não vão durar muito tempo. 

- O senhor acha, seu Chico? 

- Ah, se acho! Pois não foi o Gonzaguinha que escreveu: “O bicho ruim quando não tem do que dar cabo, primeiro morde o rabo e depois vai se comer”? Pois eles já estão começando a se comer. Além do quê, não sei se o senhor já percebeu, mas a resistência está vindo de onde eles menos esperavam: dos estudantes. E o grito de guerra da juventude, dos estudantes, ninguém segura. 

- Que grito? 

- “Ousar lutar, ousar vencer!”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...